Elisabete Jacinto participa em co-drive em Marrocos

Depois de alcançar o terceiro lugar do pódio da competição destinada aos camiões do Rali Morocco Desert Challenge, Elisabete Jacinto partiu em direcção a Marraquexe, em Marrocos, onde a MAN Truck & Bus France em colaboração com a sede da MAN Alemanha está a proporcionar aos clientes da marca alemã, oriundos de vários países da Europa, um contacto com o MAN TGS de competição da equipa Bio-Ritmo®.

A MAN Experience Days, iniciativa idealizada e executada pela MAN Truck & Bus, conta com a participação da piloto portuguesa Elisabete Jacinto que, numa experiência de co-drive, permitiu aos convidados deste evento viver de perto as emoções de circular num camião de competição:
“para mim é sempre uma experiência fabulosa proporcionar a quem quiser um percurso no camião. De uma maneira geral as pessoas têm a ideia de que é um veículo que anda muito devagar e ficam muito surpreendidas pela capacidade que este tem para andar muito depressa qualquer que seja o tipo de piso. Apesar das suas quase dez toneladas de peso trepa montanhas a um ritmo impressionante. Têm sido uns dias muito cansativos pois não tivemos oportunidade de descansar a seguir ao rali mas, ao mesmo tempo, muito agradáveis. Temos convivido com pessoas das várias regiões da Europa o que torna a experiência ainda mais enriquecedora”, revelou Elisabete Jacinto.

O evento MAN Experience Days tem como intuito promover e demonstrar a robustez dos veículos de todo-o-terreno da MAN em ambientes extremos.

Elisabete Jacinto sobe ao pódio em Marrocos

Elisabete Jacinto subiu hoje ao terceiro lugar do pódio da competição destinada aos camiões do Morocco Desert Challenge. A equipa Bio-Ritmo® alcançou os objectivos traçados para esta corrida depois de terminar a sétima e última jornada desta maratona africana, onde conquistou o quarto posto da classificação na sua classe. Os portugueses demoraram 1h19m52s a cumprir os 138 quilómetros cronometrados que compunham a etapa que ligou Tendrara a Oujda tendo terminado a especial com uma diferença de 5m25s para o holandês Martin Van Den Brink, o grande vencedor da categoria camião desta prova. Para além de três camiões, apenas dois carros foram mais rápidos que Elisabete Jacinto a realizar o traçado de hoje.

O trio português composto por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho concretizou todo o rali sem problemas a registar e conseguiram vencer duas (a primeira e a penúltima) das sete etapas desta prova. Aliás, a formação lusa permaneceu desde o primeiro dia de competição nas posições cimeiras entre os T4 o que lhe permitiu manter o terceiro posto da classificação geral da sua classe, lugar obtido ao final do segundo dia de corrida.

O sector selectivo desta derradeira especial foi encurtado porque o mau tempo que se fez sentir nos últimos dias deixou algumas zonas impossíveis de transpor. Assim, por razões de segurança a organização da prova optou por anular os últimos 40 quilómetros da etapa. Ainda assim, Elisabete Jacinto fez um balanço positivo desta jornada e mostrou-se bastante satisfeita com o resultado alcançado:
“a especial de hoje foi um pouco mais curta. Caiu granizo e choveu durante a noite e havia partes com oueds que estavam cheios de água e era impossível passar. Assim a organização decidiu cortar os últimos quilómetros para que não houvesse problemas. O sector selectivo correu-nos bem. Fomos o segundo veículo a partir para a etapa e fizemos toda a especial sempre a acelerar. Viemos um bocado grande atrás do Renault da equipa 505, mas às tantas eles pararam com um problema e nos passámos para a frente e fomos o segundo camião a chegar ao acampamento. Esta prova correu bastante bem. O balanço não podia ser mais positivo. Não tivemos problemas a assinalar e estamos muito contentes com o nosso resultado. Já estávamos a precisar de uma corrida assim”, contou Elisabete Jacinto no final da etapa.

A equipa Bio-Ritmo® estará de regresso às competições em Outubro altura em que se irá disputar o Rally Oilibya du Maroc 2017.

Elisabete Jacinto vence sexta etapa

Elisabete Jacinto venceu a sexta e penúltima etapa do Morocco Desert Challenge que se disputou hoje entre Merzouga e Tendrara. A equipa Bio-Ritmo® foi a mais rápida entre os T4 a realizar esta especial composta por 405 quilómetros cronometrados, a mais longa de toda esta competição, e demorou 5h53m11s a cumprir todo o setor selectivo. Os portugueses terminaram com uma vantagem de nove minutos para o holandês Martin Van Den Brink, o actual líder da classe camião, e apenas um carro conseguiu ser mais rápido do que Elisabete Jacinto a completar o percurso de hoje incluindo neste rol a competição destinada às motas.

A formação lusa, composta por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho reforçou, desta forma, a sua posição à geral mantendo o terceiro lugar dos camiões com uma sólida vantagem de mais de quatro horas para o belga Igor Bouwens que, aos comandos de um IVECO, ocupa neste momento o quarto posto da classe.

Elisabete Jacinto, que soma a sua segunda vitória em etapas neste rali, foi o piloto mais rápido entre os portugueses presentes nesta prova e faz um balanço positivo deste dia:
“foi uma etapa muito bonita feita nos planaltos marroquinos. Hoje as pistas eram lisinhas e como não tinham muitos buracos e valas pudemos andar bastante rápido. Hoje saímos em quinto e fomos acelerando o mais possível até que começámos a apanhar os camiões que partiram à nossa frente. A navegação era complicada, mas o Zé Marques nunca se enganou e viemos sempre certinhos até ao fim. Foi um dia excelente. Estamos mesmo muito contentes com esta vitória”, contou Elisabete Jacinto no final da especial.

Chega amanhã ao fim esta edição do Morocco Desert Challenge. A sétima e última etapa desta prova africana será disputada entre Tendrara e Oujda e será composta por 178 quilómetros cronometrados. Esta especial será mais curta, mas não será mais fácil. Haverá uma grande variedade de percursos que vão alternar entre pistas rápidas, onde os concorrentes poderão acelerar sem qualquer tipo de risco, e trilhos mais lentos com muita pedra, buracos e valas profundas. Apesar de curta, esta especial vai exigir total concentração e uma navegação perfeita.

Elisabete Jacinto mantém lugar de pódio entre os camiões

Elisabete Jacinto reforçou hoje o terceiro lugar da classificação geral dos camiões, posição alcançada ao segundo dia de prova, disputadas que estão cinco das sete etapas que compõe o Morocco Desert Challenge. A equipa Bio-Ritmo® conta agora com uma vantagem de cerca de 1h30m para o belga Igor Bouwens, que ocupa o quarto posto da geral da classe T4, numa fase em que falta apenas cumprir duas etapas desta grande maratona africana. Os portugueses ficam assim mais perto de cumprir com os objectivos traçados no início desta corrida.

O trio composto por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho, demorou 4h18m09s a executar todo o percurso da quinta jornada, que se cumpriu hoje em torno de Merzouga, tendo gasto apenas mais nove minutos que o terceiro classificado da categoria camião. A formação lusa terminou o sector selectivo de 213 quilómetros cronometrados no quinto posto da sua classe.

A especial de hoje foi mais curta que o previsto porque uma forte tempestade de areia, que assolou a região de Erfoud, impediu os pilotos de partirem logo pela manhã. Assim, a organização da prova optou por anular os primeiros 30 quilómetros que seriam feitos no Erg Chebbi. Apesar das dificuldades, inerentes ao percurso e às condições climatéricas em que se realizou o setor seletivo, os portugueses executaram a etapa sem nenhum problema:
“houve tempestade de areia durante toda a noite e à hora de partirmos para a especial a tempestade estava tão forte que não havia condições para começar a corrida. Assim, a organização adiou as partidas e a primeira mota só saiu pelo meio-dia. Por este motivo a etapa acabou por ser um pouco mais curta, ou seja, a organização decidiu anular a parte inicial da especial e acabámos por não fazer a travessia do Erg Chebbi. Ainda assim fizemos as dunas do Ouzina e fizemos algumas do Chebbi antes de chegarmos ao acampamento. Foi uma etapa muito bonita, difícil e sinuosa. Apesar dos contratempos correu tudo bem sem nenhum problema a assinalar”, contou a piloto Elisabete Jacinto.

Cumpre-se amanhã a sexta e penúltima etapa do rali Morocco Desert Challenge. Esta especial, que vai ligar Merzouga a Tendrara, será a mais longa de toda esta grande maratona africana. Serão cumpridos 405 quilómetros cronometrados que vão variar entre pistas rápidas, planícies e trilhos de pedras ponteados por valas e buracos fundos.

Elisabete Jacinto faz segundo na etapa e reforça pódio dos camiões

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto terminou a quarta etapa do Morocco Desert Challenge, uma exigente jornada composta por muitas passagens de areia e dunas, no segundo lugar da categoria camião. A equipa Bio-Ritmo® demorou 4h40m31s a realizar o sector selectivo de 276 quilómetros cronometrados, que se cumpriu entre Oum Jrane e Merzouga.

O trio português formado por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho terminou a especial que se disputou hoje com uma diferença de cerca de 28 minutos para o holandês Martin Van Den Brink que, aos comandos de um Renault, foi o mais rápido entre os T4 e é actualmente o líder desta categoria.

Elisabete Jacinto avança agora para a quinta etapa desta maratona africana em terceiro lugar da sua classe com uma curta diferença de 13 minutos para o segundo posto, que é ocupado pelo holandês Gert Huzink, e com uma confortável vantagem de cerca de 50 minutos para o belga Igor Bouwens, que continua a ocupar a quarta posição entre os camiões.

Apesar do percurso desta quarta etapa ter imposto muitas dificuldades a equipa portuguesa conseguiu superar todos os obstáculos:

a etapa de hoje era muito variada, mas foi deveras difícil. A primeira parte do sector era rápido e nós conseguimos fazê-lo bastante bem. A segunda parte foi mais lenta. Atravessámos dois Ergs, o Ouzina e o Chebbi. No primeiro apanhámos umas dunas muito altas, mas passamos por elas sem qualquer complicação. Quando chegámos ao Erg Chebbi tivemos que fazer cerca de 20 quilómetros de dunas verdadeiramente difíceis de ultrapassar. Houve várias vezes em que ficámos quase a fazer o pino. Numa delas pensei até que fossemos capotar para a frente. As cristas das dunas eram muito altas e a traseira parecia que queria saltar para a frente. Mas felizmente correu tudo bem e estamos orgulhosos do trabalho que fizemos hoje ”, revelou Elisabete Jacinto na chegada a Merzouga.

O Morocco Desert Challenge cumpre amanhã a sua quinta jornada a qual se disputará em torno de Merzouga. Mais uma vez as dunas do Erg Chebbi vão fazer parte da ementa do dia. Aliás, areia e dunas serão as palavras-chave para esta etapa que vai contar com 215 quilómetros cronometrados com partida e chegada ao acampamento que está situado perto da cidade marroquina de Merzouga.

Elisabete Jacinto alcança terceiro lugar entre os camiões

Elisabete Jacinto conquistou hoje, no final da terceira etapa do Morocco Desert Challenge, o terceiro posto entre os camiões. A portuguesa demorou 5h46m35s a cumprir os 347 quilómetros cronometrados que compunham a especial que ligou Foum Zguid a Oum Jrane e figura, após três dias de prova, na terceira posição da tabela geral da sua categoria registando uma vantagem de 40 minutos sobre Igor Bouwens que, aos comandos de um IVECO, é actualmente o quarto classificado entre os T4.

Numa jornada marcada pela travessia de muitas dunas, nomeadamente na passagem pelo Erg Chegaga, a equipa Bio-Ritmo® conseguiu ultrapassar todos os obstáculos impostos por esta complexa etapa, onde a areia predominou, e apenas quatro carros, entre os quais dois buggy e um SSV, foram mais rápidos que Elisabete Jacinto:
“correu tudo bem. Apesar de termos passado as dunas de forma muito lenta, não tivemos que cavar nem ficámos parados o que para nós é um ponto positivo a assinalar. Assim que saímos da areia aceleráramos e esforçamo-nos bastante por andar depressa. Desta forma, conseguimos acabar entre os primeiros o que é muito bom” referiu a piloto na chegada ao acampamento que está situado em Oum Jrane.

Amanhã o Morocco Desert Challenge entra no quarto dia de competição. A jornada será uma vez mais marcada pelas passagens de dunas e muita areia ou não fosse a caravana deste rali atravessar as magníficas dunas do Erg Chebbi. A especial com 276 quilómetros cronometrados vai ter inicio em Oum Jrane e terminará em Merzouga.

Elisabete Jacinto em segundo da geral dos camiões

Elisabete Jacinto alcançou na segunda etapa do rali Morocco Desert Challenge, que se disputou hoje entre Icht e Foum Zguid, o quarto posto da prova destinada aos camiões. Os portugueses avançam, desta forma, na competição no segundo posto da tabela geral da sua classe com uma vantagem de 14 minutos para o terceiro classificado, o holandês Gert Huzink que já venceu esta mesma corrida em 2015.

Nesta especial, composta por 359 quilómetros cronometrados, predominaram as pistas rápidas muito favoráveis aos veículos mais potentes. Ainda assim, a equipa Bio-Ritmo® formada por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho, gastou 5h01m09s para completar o sector selectivo terminando com uma diferença de apenas 15 minutos para o belga Igor Bouwens que, aos comandos de um IVECO, se classificou no terceiro posto desta etapa. A formação lusa foi ainda nove minutos mais rápida que o sexto classificado da categoria automóvel, posição ocupada pelo francês Michel Visy, que cumpriu a especial em 5h10m25s.

Elisabete Jacinto e a sua equipa cumpriram mais uma etapa sem problemas a registar: “esta etapa foi bem diferente em comparação à de ontem. Andámos sempre em pistas bastante rápidas e em alta velocidade. Como os outros camiões são mais potentes acabaram por nos ultrapassar rapidamente. No entanto, esta posição é, de certa forma, até confortável porque amanhã vamos entrar nas dunas e é bom haver outros camiões à nossa frente para podermos ir nos seus trilhos. Fizemos toda a etapa sem problemas e correu tudo bem”, revelou a piloto portuguesa.

Para a terceira etapa do Morocco Desert Challenge, que se cumpre amanhã entre as cidades marroquinas de Foum Zguid e Oum Jrane, está reservado um dia com uma grande variedade de pisos que vão alternar entre pistas rápidas e técnicas e pisos mais lentos, com muitas pedras e valas profundas. A navegação vai ser, uma vez mais, complexa. Será na travessia do Lac Iriki e nas passagens pelas imensas dunas do Erg Chegaga que vão surgir as maiores dificuldades desta especial composta por 345 quilómetros cronometrados.

Elisabete Jacinto vence primeira etapa

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto iniciou hoje a sua participação no Morocco Desert Challenge com uma vitória entre os camiões. A primeira etapa desta grande competição africana, cumprida entre Agadir e Icht, foi particularmente dura. Os 387 quilómetros cronometrados que compunham esta especial foram feitos em solos irregulares, com muita pedra e pistas estreitas que dificultaram a progressão das equipas no terreno.

A equipa Bio-Ritmo® conseguiu terminar esta complexa etapa em 7h33m54s conseguindo impor uma vantagem de oito minutos para o segundo classificado da categoria o holandês Paul Verheyden que, aos comandos de um DAF, gastou 7h42m05s para executar a especial*. Para Elisabete Jacinto apesar de ter sido um dia cansativo acabou por ser também muito positivo:

“foi um dia realmente difícil. O piso era muito duro e estava repleto de pedras bicudas que degradaram muito os nossos pneus. Tentámos andar depressa, mas era complicado progredir neste piso. A navegação foi deveras complexa e exigiu muita concentração da parte do nosso navegador José Marques. Mas, como sempre, ele fez um trabalho exemplar e conseguimos andar sempre no caminho certo. Para além das dificuldades inerentes ao percurso tivemos que parar três vezes para mudar os pneus que, devido ao mau piso, acabaram por furar fazendo-nos perder algum tempo. A somar a tudo isto estava um calor abrasador. O nosso termómetro chegou a marcar os 41 graus. Mas, estamos satisfeitos com o resultado acima de tudo porque demos o nosso melhor”, contou Elisabete Jacinto.

A segunda etapa deste Morocco Desert Chalenge realiza-se amanhã entre Icht e Foum Zguid. A especial será composta por 359 quilómetros cronometrados cumpridos quase sempre em zonas com pistas bastante rápidas. Mas, no final da etapa os concorrentes terão que atravessar um oued bastante arenoso e será necessário ter atenção redobrada para não ficar preso na areia mole.

Rali Morocco Desert Challenge já começou

A piloto Elisabete Jacinto e a equipa Bio-Ritmo® realizaram hoje, em Agadir, as verificações administrativas e técnicas do rali Morocco Desert Challenge. Este é o dia dedicado ao controlo de toda a documentação exigida pela organização assim como da conformidade técnica de todos os veículos admitidos em prova. O trio português, formado por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho, alinha assim à partida deste grande evento desportivo, tendo o 506 como número de prova.

O dia decorreu com um ambiente descontraído aproveitando as equipas para conviverem e estabelecerem algum relacionamento antes início do rali.

Os portugueses, que participam aos comandos de um MAN TGS, têm como principal objectivo para esta competição a conquista um lugar de pódio entre os camiões. Todavia, apesar de reconhecerem que existem muitas dificuldades nesta prova, principalmente no que diz respeito aos percursos apresentados pela organização da prova, acreditam que é possível lutar por uma boa classificação: “o que mais me impressiona nesta corrida é não apenas o número de camiões presentes, mas o seu nível de preparação. Cada um deles é uma montra da capacidade de preparação de cada equipa. Se o nível de andamento for equivalente… esta corrida promete ser bastante disputada“, revelou Elisabete Jacinto.

A primeira etapa do Morocco Desert Challenge começa amanhã na lendária Plage Blanche, que fica a 250 quilómetros de Agadir, e termina em Icht. Serão cumpridos 387 quilómetros cronometrados, numa especial onde vão predominar as passagens rápidas e técnicas que vão alternar com percursos mais arenosos. As maiores dificuldades do dia terão lugar na passagem pelo rio Draa que, por estar seco grande parte do ano, apresenta percursos bastante complexos de ultrapassar. Para chegar à Plage Blanche os concorrentes terão ainda de percorrer cerca de 200 km de estrada pelo que a totalidade da etapa ultrapassará os 600 km.

Elisabete Jacinto em contagem decrescente para o Morocco Desert Challenge

Elisabete Jacinto e a equipa Bio-Ritmo® estão em contagem decrescente para o início Morocco Desert Challenge, que terá lugar já no próximo dia 16 de Abril. A formação de todo-o-terreno composta por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho preparou cuidadosamente esta competição, tendo realizado alguns testes para garantir a fiabilidade das alterações mecânicas feitas ao MAN TGS.

Com um percurso original que se estende de Sul para Norte, o rali Morocco Desert Challenge será composto por sete etapas e decorrerá entre a costa Atlântica, tendo início em Agadir e a costa Mediterrânica, terminando em Saïdia. Está assim garantida uma grande diversidade de terrenos e de paisagens. A dimensão de cada etapa varia entre 208 e 405 Km cumprindo-se assim um total de 2200 quilómetros cronometrados com a particularidade de não se realizar quaisquer quilómetros de estrada entre as especiais. O traçado apresentado para esta prova promete muitas passagens de areia com as dunas dos Erg Chebbi e Chegaga a imporem as maiores dificuldades.

Com cerca de 140 veículos inscritos, 475 participantes de 21 nacionalidades, esta edição do Morocco Desert Challenge será bastante disputada. A competição conta com 17 equipas de camião inscritas sendo os nomes mais sonantes o de Martin Van Den Brink, Igor Bouwens e Gert Huzink. Martin Van Den Brink, da equipa Mammoet Rally Sport que foi o vencedor do Libya Rally 2016 e da edição de 2015 do Rally Oilibya du Maroc. Igor Bouwens, da formação belga Gregoor Racing foi o segundo classificado da edição de 2016 desta corrida e Gert Huzink venceu em 2016, entre os camiões, o Rali Oilibya Du Maroc e em 2015 foi o vencedor do Libya Rally.

Elisabete Jacinto reconhece que as dificuldades desta prova são muitas, mas acredita que a equipa tem capacidades e aptidões para atingir as metas que se propôs cumprir: “Somos ambiciosos e como sempre lutaremos por um lugar no pódio”, revelou a piloto portuguesa.