Elisabete Jacinto distinguida com a “Medalha de Ouro do Concelho de Montijo”

A piloto Elisabete Jacinto, vencedora da Categoria Camião do Rali Africa Eco Race, vai ser distinguida com a atribuição da Medalha de Ouro do Concelho de Montijo.

Esta decisão foi tomada por unanimidade na reunião pública da Câmara Municipal de Montijo que teve lugar no dia 24 de julho. A distinção será entregue no Dia da Cidade, 14 de agosto às 17:00h, na Galeria Municipal.

A medalha de Ouro do Concelho é a mais alta distinção que só pode ser atribuída a pessoas ou instituições que tenham prestado e/ou prestem serviços relevantes ao concelho ou ao país.

Ora, Elisabete Jacinto nasceu no Montijo e foi nesta cidade que cresceu e deu os seus primeiros passos na sua atividade desportiva. Veio a distinguir-se a nível Nacional e Internacional como desportista numa modalidade predominantemente masculina, o todo-o-terreno, não por ser mulher, mas por ter atingindo resultados dignos de destaques. A sua história é um notável exemplo de dedicação e superação que é agora reconhecido pelo Município de Montijo.

Entre os vários títulos e vitórias, destacamos o facto de ter sido, por três vezes, a Senhora mais pontuada na Taça do Mundo de todo-o-terreno em moto. Foi uma das poucas mulheres a participar no mítico rali Paris Dakar em moto tendo vencido a Taça de Senhoras no ano 2000. Destacou-se também ao ser a única mulher a nível mundial a participar nestes ralis em camião tendo vencido este ano a Categoria Camião no Rali Africa Eco Race, uma das maiores maratonas da atualidade. Elisabete Jacinto foi a única mulher na história do todo-o-terreno mundial a vencer entre os camiões.

Para a piloto esta distinção “é um reconhecimento por todo o trabalho que desenvolvi ao longo destes anos. Sensibiliza-me profundamente e, por isso, agradeço ao Município do Montijo”, contou.

No dia 14 vai também ser distinguido o professor Joaquim Carreira Tapadinhas.

Elisabete Jacinto leva livro “100 Imagens. Algumas Histórias” ao Porto

A piloto de todo-o-terreno Elisabete Jacinto esteve hoje na FNAC do Norte Shopping onde, juntamente com o fotógrafo Jorge Cunha, realizou um convívio com os leitores a propósito do livro “100 imagens. Algumas Histórias”.
Apesar de ter sido apresentado em janeiro, Elisabete Jacinto decidiu partilhá-lo pessoalmente com os muitos leitores que quiseram deslocar-se à FNAC do Norte Shopping, no Porto. Este livro, que nasceu com o objectivo de comemorar os 15 anos de corridas em camião desta piloto, é uma compilação das melhores fotos tiradas nos últimos 5 anos pelo fotógrafo Jorge Cunha acompanhado de pequenas descrições feita por Elisabete Jacinto que permitem um melhor enquadramento das mesmas.

Com a piloto e o fotógrafo esteve também Isabel Lopes a Vice-Presidente da Associação Humanidades, uma Instituição Particular de Solidariedade Social que apoia jovens mães em situações de risco assim como os seus filhos, para a qual reverterá a receita das vendas desta edição limitada. Esta estará disponível para compra nas livrarias FNAC e Bertrand.

Elisabete Jacinto apresenta livro “100 Imagens. Algumas Histórias”

A piloto de todo-o-terreno Elisabete Jacinto em associação com o fotógrafo Jorge Cunha apresentaram ontem na FNAC do Centro Comercial Colombo o livro “Cem imagens. Algumas Histórias”. Trata-se de um livro de fotografias da autoria de Jorge Cunha que contém alguns relatos de Elisabete Jacinto que dão a conhecer as características gerais dos ralis onde participa, assim como algumas das vivências da equipa nos mesmos.

Trata-se de uma edição limitada que estará à venda nas livrarias FNAC e Bertrand e cuja receita das vendas reverterá a favor da Associação Humanidades, instituição Particular de Solidariedade Social que apoia jovens mães em situações de risco assim como os seus filhos. Foram várias as vezes em que Elisabete Jacinto colaborou com esta associação e agora, através desta publicação, a piloto vai contribuir para uma maior divulgação da mesma.

Este livro resulta da vontade de Elisabete Jacinto contar as histórias por trás do projeto desportivo que vão muito para lá das competições. Através desta compilação de fotos de Jorge Cunha, um dos melhores fotógrafos de ação nacionais, a piloto transporta-nos para o ambiente vivido nas corridas e mostra-nos, com o auxílio das imagens, as experiências que estão por detrás de cada foto.

A piloto e o fotógrafo, que já a acompanha desde o início da sua carreira em África, apresentaram em 2012 a edição limitada do livro “Elisabete Jacinto: Dez anos em camião” como forma de assinalar uma década de carreira ao volante de um camião de competição e lançam agora a sua sequela que junta imagens da equipa tiradas ao longo dos últimos cinco anos.

Para Elisabete Jacinto as fotografias são um elemento essencial na sua atividade desportiva: as fotos marcaram desde sempre a minha participação nestes ralis em África onde a solidão é uma das principais características. Não só me permitem dar conta da beleza das paisagens por onde passo e que no momento não tenho condições de as ver, como também reviver momentos vividos nas etapas e partilhá-los com as pessoas. As fotos constituíram desde sempre a nossa forma de comunicar os nossos feitos… quaisquer que fossem eles…, contou Elisabete Jacinto.

Elisabete Jacinto fez história ao vencer Africa Race 2019

A piloto Elisabete Jacinto e a equipa Bio-Ritmo® subiram hoje ao pódio dos camiões do Africa Eco Race 2019 para receber o prémio de primeiro lugar na categoria. Foi um dia histórico para o desporto motorizado internacional pois é a primeira vez que uma mulher vence uma longa maratona de todo-o-terreno ao volante de um camião. A alemã Jutta Kleinshmidt foi pioneira entre os automóveis, ao vencer em 2001 o Paris Dakar aos comandos de um Mitsubishi. Agora Elisabete Jacinto torna-se percursora nos camiões.

O trio português acrescentou ao seu currículo o 6º pódio alcançado nesta grande competição, em 10 participações. Elisabete Jacinto alimentava há já vários anos o objetivo de vencer o Africa Eco Race já que na sua carreira já tinha triunfos em importantes corridas internacionais como o Rali de Marrocos ou o Rali da Tunísia. Em 2000, quando ainda competia de mota, venceu também a Taça das Senhoras no rali Dakar Cairo, feito que repetiria em 2001.

Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho cumpriram de forma exemplar todo este rali ao manterem um andamento sólido e consistente que lhes permitiu figurar desde o inicio da prova nos lugares da frente. Na entrada na Mauritânia, onde se esperavam as maiores dificuldades, os portugueses figuravam no primeiro lugar e ali continuaram até ao final da corrida. Nesta edição do Africa Race a equipa Bio-Ritmo® alcança também o seu melhor resultado de sempre na classificação conjunta com os automóveis ao conquistar o quinto lugar da geral.

Na etapa de hoje os portugueses foram o 4º camião mais rápido a cumprir os 22 quilómetros cronometrados da mítica especial disputada nas margens do Lago Rosa em Dacar: quando foi dada a partida para os camiões fizemos um bom arranque e andámos bem. Mas, o Ginaf depressa nos apanhou e acabámos em 4º da categoria. No entanto, como sempre foi uma especial gira, muito alegre e com toda a gente a festejar o facto de ter chegado ao fim. Tivemos imensos portugueses aqui à chegada que nos fizeram uma festa imensa com direito a champanhe e tudo. Estamos muito felizes com o que fizemos nesta prova. Recebemos um troféu enorme e pesado e não cabemos em nós com tanto orgulho. Foram 16 anos de trabalho para chegarmos a este dia. Tudo isto é fruto de muito trabalho, empenho e dedicação e por isso a vitória sabe ainda melhor, contou Elisabete Jacinto no final desta grande aventura.

Terminou, assim, a 11ª edição do Africa Eco Race com a fantástica etapa de consagração a ser disputada em torno do Lago Rosa em Dakar. Na categoria dos automóveis, a 11ª edição do Africa Eco Race corou Jean Pierre Strugo com o primeiro lugar da classificação geral e nas motas Alessandro Botturi foi o grande vencedor.

Elisabete Jacinto vence categoria camião do Africa Race

Elisabete Jacinto conquistou pela primeira vez na sua carreira desportiva a vitória na categoria camião do Africa Eco Race ao terminar a especial de hoje na 2ª posição da classe com uma curta diferença de 1m49s do primeiro lugar dos T4, que foi ocupado pelo checo Tomas Tomecek. A equipa Bio-Ritmo® gastou 2h02m09s a percorrer o setor seletivo da 11ª etapa, que se disputou entre Akjout e Fimlit, na Mauritânia, e contou com 217,69 quilómetros cronometrados.

O trio português terminou esta curta especial, a última que integra tabela classificativa uma vez que a jornada do Lago Rosa já não entra nas contas finais, no 7º lugar da classificação conjunta auto/camião, resultado que lhe permite segurar a 5ª posição da geral. Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho alcançaram a liderança da sua categoria no final da 5ª etapa desta grande maratona africana, posição que conseguiram manter firmemente até ao fim da corrida. No segundo lugar dos T4 ficou o belga Noel Essers com uma diferença de 2h42m para os portugueses.

Elisabete Jacinto cumpriu de forma muito positiva esta última jornada do Africa Race 2019 e sobe, assim, ao lugar mais alto do pódio do rali entre os camiões: hoje correu tudo bem. Apesar de ainda termos feito algumas travessias de dunas, logo nos primeiros quilómetros, a especial era curta e muito rápida. Não tivemos problemas a assinalar e conseguimos imprimir um bom andamento. Alcançámos o segundo lugar nesta especial, que é muito positivo, e estamos verdadeiramente felizes com a nossa prestação neste Africa Race 2019 contou a piloto portuguesa na chegada a Saint Louis no Senegal.

Amanhã cumpre-se a 12ª e última etapa do Africa Eco Race. Os 22 quilómetros cronometrados cumpridos em torno das margens do Lago Rosa, em Dakar, já não entram na classificação final. No entanto, esta é sempre a especial mais aguardada de todo o rali, não só pelo misticismo que a rodeia, como também por marcar o final de mais uma edição desta grande maratona africana.

Elisabete Jacinto a uma etapa da vitória

Elisabete Jacinto mantém a liderança dos camiões no Africa Eco Race 2019, após ter sido disputada a décima especial desta grande maratona africana que foi cumprida hoje ao longo de 471,58 quilómetros cronometrados que ligaram Ain Attaya a Akjout, na Mauritânia. Na classificação geral, o trio português subiu uma posição ocupando agora o 5º lugar da tabela conjunta com os automóveis e está, neste momento, a apenas uma etapa de triunfar pela primeira vez no Africa Eco Race.

Na longa e difícil 10ª jornada desta prova, onde predominaram os percursos de areia e travessias de dunas, a equipa Bio-Ritmo® gastou 7h24m33s a percorrer o setor seletivo terminado no 4º lugar da sua categoria, a apenas 15 minutos de Tomas Tomecek o vencedor da etapa de hoje entre os T4. A última especial do rali que ainda integra a classificação será disputada amanhã na Mauritânia onde são aguardadas várias dificuldades. No entanto, os portugueses estão motivados e confiantes uma vez que o segundo lugar dos camiões, que pertence ao belga Noel Essers, permanece com uma desvantagem de 2 horas para a formação lusa.

Elisabete Jacinto, apesar das dificuldades que o setor seletivo apresentava, alcançou mais um bom resultado: a etapa de hoje foi muito comprida e difícil porque o percurso tinha muitas dunas complicadas de transpor. Da nossa parte fizemos bem todas as dunas e apenas perdemos algum tempo num sítio onde a areia estava muito mole. Ficámos presos e tivemos que cavar. O nosso maior problema foi a descer uma duna e batemos numa erva de camelo muito grande. Ficámos com o camião preso e tivemos que pedir ajuda à equipa do Iveco para nos puxar. Foi uma jornada difícil, mas no conjunto acabámos por não ficar mal classificados”, revelou a piloto que hoje terminou a especial na 9ª posição da classificação conjunta.

Recorde-se que Elisabete Jacinto tem no seu currículo vários triunfos entre os T4 nas mais diversas provas africanas (Rali de Marrocos e Rali da Tunísia), mas nesta longa maratona de todo-o-terreno, uma das maiores da atualidade, a sua melhor classificação foi o 2º lugar da classe que alcançou em dois anos consecutivos, 2011 e 2012.

Será amanhã disputado o 11º setor seletivo do Africa Race 2019. Como é habitual, esta última especial da Mauritânia será relativamente curta para não perder tempo e permitir que todos se juntem no acampamento em St. Louis ao pôr do sol. Com 217,69 quilómetros cronometrados esta jornada será cumprida maioritariamente em pistas arenosas e dunas.

Elisabete Jacinto cada vez mais perto da vitória

Elisabete Jacinto continua imparável no Africa Eco Race 2019. Na nona etapa desta grande maratona africana, que se disputou hoje em torno de Amojdar, na Mauritânia, a portuguesa reforçou a liderança entre os camiões, alargando a vantagem que tem para o 2º classificado, ao conquistar o terceiro lugar da sua categoria. A equipa Bio-Ritmo® concluiu a especial de 374,37 quilómetros cronometrados em 5h14m57s com uma diferença de apenas três minutos para o checo Tomas Tomecek, que terminou o setor seletivo em segundo lugar entre os T4. Na classificação geral com os automóveis, os portugueses ficaram no 8º lugar.

Num momento em que faltam apenas cumprir duas especiais cronometradas, uma vez que a jornada realizada nas margens do Lac Rose não entra nas contas finais, o trio luso permanece firme na primeira posição da categoria camião tendo hoje dilatado a diferença para o segundo classificado, o belga Noel Essers, que agora tem uma desvantagem de 2h12m para os portugueses. Em termos da classificação conjunta a equipa portuguesa conserva o 6º lugar.

Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho estão cada vez mais próximos de assegurar a vitória entre os camiões nesta 11ª edição do Africa Eco Race: hoje a especial foi particularmente dura. Fizemos mais de 100 quilómetros em dunas, o que foi deveras difícil. Fui passando bem, mas num ou noutro sítio mais complicado ficámos presos e perdemos algum tempo. A navegação também foi muito complicada. Mas, de uma forma geral a etapa correu relativamente bem porque, onde pudemos, andámos muito depressa e não tivemos problemas mecânicos. Estamos felizes porque já só faltam duas etapas para terminar a corrida e os resultados são excelentes, revelou a piloto portuguesa naturalmente satisfeita com a sua classificação.

Amanhã cumpre-se a 10ª etapa do Africa Race. De acordo com René Metge, em 2018 esta mesma jornada foi a mais difícil de todas desde a criação desta competição. O dia vai-se cumprir entre Amojar e Akjout e vai contar com um setor seletivo de 471,58 quilómetros. Na chegada ao acampamento, que estará instalado próximo da cidade de Akjoujt, os participantes desta edição do Africa Race vão entregar vários donativos ao município.

Elisabete Jacinto continua inabalável entre os camiões

Elisabete Jacinto alcançou hoje a segunda posição dos camiões, ao final da oitava etapa do Africa Eco Race 2019, resultado que lhe permite manter-se no comando da sua categoria. A equipa Bio-Ritmo® cumpriu a jornada, que contou com 445,12 quilómetros cronometrados realizados ente Chami e Azougi, em 6h29m26s terminando atrás do belga Noel Essers, o vencedor da especial entre os T4, que gastou menos 11 minutos que os portugueses a completar o trajeto. No que diz respeito à classificação conjunta, a formação lusa foi a 9ª mais rápida a completar o percurso.

Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho imprimiram um andamento eficaz durante todo este setor seletivo, que foi cumprido inteiramente em pistas de areia e dunas, e mantiveram-se sempre na linha da frente da classificação entre os camiões. O trio segue para a nona etapa no 1º lugar da categoria camião com uma vantagem de 2 horas para Noel Essers, que é o segundo classificado da classe, e permanece na 6ª posição da classificação conjunta.

Para Elisabete Jacinto esta especial foi particularmente dura e cansativa: foi um dia difícil. Foi uma daquelas etapas demolidoras e esgotantes. Fizemos os primeiros 100 quilómetros sempre na areia mole e havia muita erva e por isso tínhamos que andar devagarinho para conseguir passar. Também foi uma especial complicada em termos de navegação. Mas, conseguimos terminar bem porque agora posso baixar a pressão dos pneus e a potência do motor permite-me avançar com uma maior facilidade. Este tipo de etapa é arrasador e recordo que noutras alturas ficávamos enterrados e era deveras cansativo. Mas, desta vez não parámos e não tivemos que cavar vez nenhuma o que nos deixa muito satisfeitos. Foi, sem dúvida, mais uma boa jornada, contou Elisabete Jacinto na chegada ao acampamento.

Esta oitava jornada deveria ter sido a segunda parte de uma etapa maratona que acabou por ser inviabilizada, por decisão do diretor de prova, devido aos atrasos sofridos na entrada na Mauritânia.

Disputa-se amanhã a nona etapa do Africa Eco Race 2019. Considerada uma das especiais mais agradáveis desta 11ª edição, os concorrentes terão a oportunidade de aproveitar ao máximo as paisagens deslumbrantes do deserto da Mauritânia. Este será o segundo setor seletivo cumprido em circuito e conta com um total de 374,10 quilómetros cronometrados.

Elisabete Jacinto vence etapa e mantém liderança

Elisabete Jacinto venceu hoje a sétima etapa na classe T4 do Africa Eco Race 2019, a primeira disputada na Mauritânia, ao ser a mais rápida entre os camiões a realizar o setor seletivo composto por 480,98 quilómetros cronometrados, cumpridos entre Chami e Gare du Nord. A equipa Bio-Ritmo® gastou 4h54m39s a executar o percurso do dia ganhando mais 8m30s ao belga Igor Bouwens, que terminou o trajeto no segundo lugar da categoria. Com este resultado os portugueses mantêm a liderança entre os camiões.

Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho cumpriram quase todo o setor seletivo na frente da sua classe e terminaram a especial no 5º lugar da tabela auto/camião, o que lhes permite subir ao 6º posto da classificação geral conjunta. Depois de disputadas sete etapas, atrás da equipa portuguesa, no segundo lugar dos camiões, segue o MAN do belga Noel Essers com uma diferença de 2h10m. No terceiro posto da geral está o IVECO do belga Igor Bouwens, a 2h17m do trio português.

Para Elisabete Jacinto esta foi mais uma excelente jornada: “hoje o dia correu bem. Foi uma etapa rápida, mas com uma navegação muito difícil. O road-book tinha várias imprecisões e notas muito alargadas que tornam as coisas mais difíceis. Tivemos ainda três travessias de dunas, no entanto, conseguimos passar bem. Fizemos toda a etapa com um bom ritmo, sempre a fundo, e acabámos bem classificados. Não podíamos estar mais contentes com o resultado de hoje, afirmou a portuguesa na chegada ao acampamento que está instalado em Chami, na Mauritânia. Hoje a equipa Bio-Ritmo® terá a dificuldade acrescida de ter que trabalhar na mecânica do MAN TGS de competição sem a ajuda da sua assistência, uma vez que se trata da primeira parte de uma jornada maratona que termina amanhã.

Na oitava especial do Africa Race 2019 cumpre-se a segunda parte da etapa maratona que será composta por um setor seletivo de 445 quilómetros. Será mais um dia repleto de pistas rápidas e arenosas, mas tendo percorrido centenas de quilómetros sem qualquer ajuda mecânica, os pilotos terão que gerir com precaução a mecânica particularmente porque o último terço da rota será realizada em vários cordões de dunas complexas.

Sexta Etapa do Africa Eco Race 2019 anulada

A direção de prova do Africa Eco Race tomou a decisão de cancelar a etapa de hoje, a sexta jornada da corrida e a primeira a ser disputada na Mauritânia, por razões relacionadas com as más condições climatéricas que poderiam colocar em causa a segurança dos concorrentes.

O sector seletivo de hoje ligaria Dakhla, em Marrocos, a Chami, na Mauritânia, numa especial que contava com 176,57 quilómetros cronometrados. No entanto, a etapa acabou por ser anulada devido a uma forte tempestade que se fez sentir em Dakhla e não permitiu que os helicópteros da organização levantassem voo em segurança. Desta forma, todos os concorrentes seguiram até Chami por estrada e preparam-se para amanhã prosseguir a corrida. Recorde-se que a equipa Bio-Ritmo® disputadas que estão 5 etapas ocupa atualmente a 1ª posição da categoria camião e o 7º lugar da classificação conjunta auto/camião.

Elisabete Jacinto contou o que se passou no dia de hoje: saímos às 5:30 da manhã de Dakhla e fizemos toda a viagem até à Mauritânia. Percorremos cerca de 380 km e às 10:00 da manhã estávamos no sítio da partida. Entretanto, enquanto esperávamos pelo início da especial, apareceu o Jean-Louis Schlesser que nos comunicou que não havia condições para realizar a etapa porque havia uma grande tempestade em Dakhla e os helicópteros não conseguiam levantar voo e sem eles a corrida não podia prosseguir devido a questões de segurança. Confesso que fiquei um bocadinho desapontada porque a especial era pequena e fácil e era uma oportunidade para preparar terreno e ver como reage o camião. Mas, enfim tivemos mais um dia de folga e vamos preparar-nos para o dia de amanhã, explicou a piloto portuguesa.

Disputa-se amanhã a sétima etapa do Africa Race que será cumprida em torno de Chami. Este será o primeiro de dois setores seletivos a realizar em circuito e que terá uma extensão de 480 km. Nesta etapa os concorrentes não poderão contar com assistência, pelo que no final da especial terão de ser os próprios a resolver eventuais problemas nas suas máquinas. O desafio será maior após cumprirem um dia que será dominado por percursos de areia e dunas.