Elisabete Jacinto vai participar na Expofarma

A piloto Elisabete Jacinto vai estar presente na Expofarma 2017, a maior exposição profissional de Portugal dedicado às farmácias, que decorre entre 12 e 14 de Outubro no Centro de Congressos de Lisboa.

Recentemente regressada a Portugal, após a sua presença no Rali de Marrocos, a piloto vai participar no evento no dia 14 de Outubro onde vai estar no stand da Medinfar em sessões de autógrafos num ambiente onde poderá partilhar com os visitantes as suas histórias e experiências.

A Expofarma vai reunir num só espaço várias marcas do sector farmacêutico as quais terão stands próprios que permitem um contacto direto com os visitantes possibilitando a partilha das novidades e potenciar negócios. Ao longo de três dias, os visitantes poderão usufruir de workshops e palestras sobre diversos temas sendo que estarão presentes vários oradores de renome, especialistas nas mais diversas áreas.

Elisabete Jacinto já saiu do deserto

O camião de competição da equipa Bio-Ritmo® já está de pé e a funcionar e finalmente o trio conseguiu sair com segurança das dunas do Erg Chegaga onde já estavam há dois dias e duas noites. A máquina retroescavadora que auxiliou os portugueses a colocar o MAN TGS na sua posição chegou junto deles esta manhã altura em que se deu início a uma complexa operação para endireitar o camião. Após muitas horas de trabalho conseguiram colocar o camião de pé e depois de se ter verificado o motor foi possível retirar o veículo da cova onde tinha caído.

Recorde-se que o camião de Elisabete Jacinto tombou no passado domingo, durante a terceira etapa do Rallye Oilibya du Maroc, porque a roda da frente do lado direito saiu da jante, o que provocou uma grande instabilidade no MAN TGS que acabou por cair e ficar de lado numa zona íngreme de dunas.

A equipa de assistência de Elisabete Jacinto agiu prontamente a partir do momento em que se apercebeu que o camião vassoura da organização não conseguiria chegar ao local onde estava o trio. A ajuda só não chegou mais cedo porque a máquina alugada pela equipa demorou cerca de 14 horas a acorrer ao local onde se deu o incidente.

A equipa Bio-Ritmo® está de regresso às competições no final de Dezembro altura em que se inicia, no Mónaco, o Africa Eco Race 2018.

Elisabete Jacinto à espera do resgate

A equipa Bio-Ritmo® continua parada à espera de ajuda para levantar o MAN TGS de competição que ontem tombou numa zona de dunas do Erg Chegaga quando os portugueses de encontravam a cumprir a terceira etapa do Rallye Oilibya du Maroc. A formação lusa ainda encetou esforços no sentido de continuar em prova, mas esta situação estava dependente da ajuda que teriam que receber por parte do camião “vassoura” enviado pela organização em missão de resgate aos portugueses.

No entanto, o camião da NPO não conseguiu alcançar o local onde estava Elisabete Jacinto e os seus companheiros de equipa o que os obrigou a permanecer no deserto onde se encontram até ao momento. Desta forma, e uma vez que para continuarem na corrida os portugueses teriam que chegar ao acampamento uma hora antes do primeiro piloto sair para a especial de hoje, o trio foi obrigado a desistir do rali.

Entretanto o helicóptero da NPO já esteve junto de Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho tendo deixado comida e água. A equipa de assistência, que se encontra a cerca de 400 quilómetros de distância do local onde se deu o incidente, já enviou apoio e está a trabalhar com vista a retirar o camião em segurança. Jorge Gil, Diretor da equipa, refere “eles estão bem e esperamos que ainda hoje o camião possa estar já na sua posição normal. Depois o Marco terá de fazer os trabalhos necessários ao arranque do motor”, contou o gestor.

Elisabete Jacinto parada no deserto

A portuguesa Elisabete Jacinto continua parada no deserto, onde possivelmente irá pernoitar, após o seu camião de competição se ter  virado nas  dunas do Erg Chegaga quando a piloto tentava desviar-se de uma zona de lama.

A equipa Bio-Ritmo® encontrava-se a disputar a terceira etapa do Rallye Oilibya du Maroc, uma longa e difícil jornada maratona, quando se deu o incidente que deixou a formação lusa condicionada à passagem do camião “vassoura”. Os portugueses aguardam pela ajuda da organização para que o MAN TGS de competição possa ser levantado possibilitando assim a sua permanência na corrida uma vez que os concorrentes podem continuar em prova desde que cheguem ao acampamento uma hora antes do primeiro piloto partir para a etapa seguinte.

Nas últimas horas levantou-se uma grande tempestade de areia que está a prejudicar bastante os trabalhos da equipa portuguesa que aguarda com expectativa os desenvolvimentos das próximas horas.

Amanhã cumpre-se a quarta e penúltima etapa do Rallye Oilibya du Maroc 2017. Na jornada que vai ligar o Erg Lihoudi e Erfoud os concorrentes vão enfrentar, mais uma vez, dois setores selectivos, o primeiro com 191,56 km e o segundo com 263,51 km. Neste dia a caravana do rali vai percorrer os diversos tipos de paisagens e terrenos marroquinos. Cruzamento de dunas, trilhos rápidos e sinuosos, passagens de oueds, fesh-fesh e pistas de areia são os ingredientes desta especial que decerto será decisiva para o resultado final da competição.

Neutralização de etapa não abranda Elisabete Jacinto

A piloto Elisabete Jacinto terminou hoje a segunda etapa do Rallye Oilibya du Maroc no quarto lugar entre os camiões, num dia em que a especial, composta por um trajeto de 354,45 quilómetros, acabou por ser neutralizada após o CP1 uma vez que as chuvas fortes que caíram na região de Erfoud deixaram um dos oued, que fazia parte do sector selectivo, intransponível. Por este motivo, após terem cumprido 130 quilómetros de percurso, os concorrentes foram obrigados a parar e a regressar ao acampamento sem disputar a totalidade da jornada.

Atendendo a esta situação até à hora de envio deste comunicado não existia ainda uma classificação definitiva, mas em CP1 a equipa Bio–Ritmo® ocupava o quarto posto entre os T4 a apenas 14m52 do primeiro classificado o argentino Frederico Villagra: infelizmente a etapa de hoje acabou por ser neutralizada logo após o CP1. Choveu imenso há dois dias atrás e o oued que íamos atravessar acabou por ficar intransponível. Como a NPO fez o reconhecimento do terreno antes de ter chovido não se deram conta deste facto. Assim, só quando as motas lá chegaram e viram que não conseguiriam passar é que a organização decidiu neutralizar o sector selectivo desde o CP1 em diante. Acabámos por fazer apenas 130 quilómetros, dos 354 que compunham a especial. Estava tudo a correr bem e estávamos a imprimir um bom ritmo quando tivemos que regressar ao acampamento explicou a piloto portuguesa.

A terceira etapa desta competição realiza-se entre Erfoud e o Erg Lihoudi. O dia será dividido em duas especiais: a primeira, composta por 435,11 quilómetros cronometrados que vão percorrer trilhos rápidos, seguidos por cruzamentos de oueds e passagens por verdejantes palmeirais. O segundo sector selectivo terá 142,79 quilómetros. Começa numa pista com muita pedra e termina com a travessia das dunas mais altas da região.

Elisabete Jacinto em segundo entre os camiões

A piloto Elisabete Jacinto terminou hoje a primeira etapa do Rallye Oilibya du Maroc no segundo posto entre os camiões e no quarto lugar da categoria Open. Esta jornada, cumprida entre Fez e Erfoud, apesar de sinuosa e bastante complexa devido às inúmeras passagens por trilhos de montanha, não apresentou qualquer tipo de dificuldade à equipa Bio-Ritmo® que demorou 4h49m22s a terminar o sector selectivo de 367,18 quilómetros cronometrados.

Num dia em que a equipa de camião de Frederico Villagra venceu a classe Open, a piloto portuguesa revelou-se animada com o resultado obtido: apesar de ter sido uma especial bastante cansativa, porque tivemos que sair muito cedo do hotel, correu tudo bem. Conseguimos cumprir todo o sector seletivo sempre a andar bem e acabámos por não ter problemas nenhuns, o que é bastante positivo. Estamos cansados, mas satisfeitos por termos feito uma boa especial contou Elisabete Jacinto.

A segunda etapa do Rallye Oilibya du Maroc 2017 disputa-se entre Erfoud e o Erg Chebi e terá um total de 354,45 quilómetros cumpridos ao cronómetro. As magníficas paisagens do deserto marroquino vão acompanhar os concorrentes numa especial que será particularmente árida. Travessias de oueds arenosos, pequenas dunas e pistas de areia farão parte do dia.

Elisabete Jacinto não arrisca no prólogo

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto iniciou hoje a sua participação no Rallye Oilibya du Maroc onde averbou a quinta posição entre os camiões e a 11ª da categoria Open, na Super Especial de 12 quilómetros cronometrados que se disputou em torno de Fez, em Marrocos. A equipa Bio-Ritmo® cumpriu este curto sector selectivo, que teve o argentino Frederico Villagra como vencedor entre os T4, sem qualquer dificuldade.

Elisabete Jacinto optou por realizar esta Super Especial com alguma cautela, por forma a não comprometer a corrida, porque o percurso sinuoso de montanha não era favorável aos camiões: hoje fizemos um curto prólogo na zona de Fez. Era uma pista de montanha, estreita, com muitos precipícios e buracos enormes. Havia imensos perigos e para nós que vamos num camião as coisas tornam-se ainda mais complicadas. Por isso decidi jogar à defesa por forma a não cometer erros. Quando temos uma longa corrida pela frente não compensa arriscar, particularmente num percurso tão curto como o que tivemos hoje. Já sei que o prólogo nunca é o meu ponto forte pois demoro um pouco a adaptar-me. Assim, preferi entrar com alguma cautela mas correu tudo bem explicou a piloto portuguesa.

Uma nota de destaque vai para o facto de a piloto Elisabete Jacinto ter sido ontem homenageada pela NPO, entidade que realiza este rali, durante a cerimónia de abertura do Rallye Oilibya du Maroc. Como forma de assinalar o décimo aniversário da prova, a organização decidiu atribuir a alguns pilotos de moto, carro e camião um prémio de distinção pela sua frequente participação, palmarés e também pelos valores humanos demonstrados ao longo destes dez anos em que se concretizou este rali. Para além de Elisabete Jacinto foram também homenageados Paulo Gonçalves, Nasser Al-Attiyah, Bruno da Costa, Rafal Sonik, David Fratigne entre outros.

Amanhã cumpre-se a primeira etapa do Rallye Oilibya du Maroc 2017 a qual será disputada entre Fez e Erfoud e contará com uma especial de 367,18 quilómetros. Nesta jornada os trilhos vão alternar entre percursos pedregosos e pistas rápidas e sinuosas. A navegação será particularmente complexa o que vai exigir extrema concentração tanto dos pilotos como dos navegadores.

Elisabete Jacinto inicia Rali de Marrocos

A piloto Elisabete Jacinto e a equipa Bio-Ritmo® realizaram hoje, em Fez, as verificações administrativas e técnicas do Rallye Oilibya du Maroc o qual se vai iniciar amanhã, com uma Super Especial de 12 quilómetros cronometrados, e termina no dia 10 de Outubro em Erfoud, Marrocos.

Os portugueses cumpriram os habituais controlos de todas as documentações e requisitos técnicos dos veículos os quais decorreram com alguns atrasos alheios à equipa: “Habitualmente as verificações decorrem de forma rápida e tranquila. No entanto, hoje vivemos as verificações mais lentas de que tenho memória. Havia filas intermináveis de gente que esperava de pé pela sua vez. Isto porque o sistema de inscrição pela Internet não funcionou tornando aqui o processo muito lento. Depois houve um problema com a instalação do novo modelo do Iritrack no nosso camião que demorou imenso tempo a ficar pronto. Com tudo isto saltámos a hora do almoço o que tornou tudo mais difícil”, contou Elisabete Jacinto que está já a postos para iniciar a corrida e competir ao longo de seis dias nesta grande maratona africana, a qual se vai disputar em alguns dos terrenos mais inóspitos e desertificados do mundo.

Esta edição do Rali de Marrocos será um verdadeiro desafio para a equipa Bio-Ritmo®, uma vez que vão estar na competição excelentes equipas, cujos orçamentos elevados lhes permite equipar os camiões transformando-os em veículos muito eficazes e bem preparados. Perante este cenário, Elisabete Jacinto acredita que a fiabilidade, consistência e união da equipa serão as grandes mais-valias para alcançar os objectivos propostos: Hoje é um dia de grande entusiasmo e expectativa. É o dia em que olhamos para os camiões dos outros e nos deixamos impressionar com o que vemos. Com base nessa observação tentamos adivinhar o futuro e fazemos palpites em relação à classificação. Da nossa parte estamos prontos para dar o máximo e vamos lutar por um bom resultado. Faço votos que a sorte esteja do nosso lado, contou a piloto portuguesa.

A primeira jornada deste 18º Rallye Oilibya du Maroc realiza-se amanhã. Uma curta especial de 12 quilómetros cronometrados, realizada em torno de Fez, estará na ordem do dia e tem como principal objectivo estabelecer a sequência de partida para a 1ª etapa desta prova.

Elisabete Jacinto já está a caminho de Marrocos

Elisabete Jacinto já partiu para Marrocos onde vai iniciar, no próximo dia 4 de Outubro, mais uma edição do Rallye Oilibya du Maroc. A  equipa Bio-Ritmo® demorará três dias até chegar a Fez, cidade onde pela primeira vez na história deste rali se dará a partida da prova.

Os portugueses já estão preparados para iniciar este desafio e apresentam como principais objectivos chegar ao final desta prova num lugar de pódio entre os camiões. Para cumprir com esta meta a equipa preparou-se com empenho tendo prestado particular atenção ao MAN TGS de competição. “Em qualquer corrida, o objectivo é sempre garantir a competitividade da equipa. Para isso é importante uma condução e navegação exemplar, assim como uma manutenção que garanta a fiabilidade do nosso MAN. Esta é sempre a principal aposta mas fizemos várias pequenas alterações que nos pareceram importantes. Destaco o facto de termos apostado mais uma vez na suspensão pois, ao nível dos amortecedores, introduzimos mais uma possibilidade de afinação dos mesmos e instalámos um sistema de apoio hidráulico à alavanca da caixa de velocidade. Tenho esperança que desta alteração resulte alguma folga em termos  de esforço físico na passagem de caixa” explicou Elisabete Jacinto.

A equipa chegará a Fez no dia 3 de Outubro assim como os demais concorrentes onde toda a estrutura organizativa os aguarda.

A NPO, entidade organizadora deste grande evento, é constituída por 150 elementos distribuídos pelas equipas médicas, de logística, comunicação, entre outras, e todos estarão a postos para garantir que os participantes possam usufruir de uma grande aventura de todo-o-terreno.

O Rallye Oilibya du Maroc é um dos maiores eventos internacionais realizado no Reino de Marrocos e o qual o país se orgulha em receber. Por este motivo as autoridades marroquinas e a FRMSA (Fédération Royale Marocaine des Sports Automobiles) empenham-se para que a competição decorra debaixo de um ambiente seguro e salutar. Este rali cumpre-se com o apoio do Rei de Marrocos, Sua Majestade Mohamed VI que acolhe com cortesia todos os participantes

Elisabete Jacinto com o número 453 no Rali de Marrocos

A equipa Bio-Ritmo® ficou hoje a saber o número com que vai participar no Rallye Oilibya du Maroc assim como quem serão os  seus principais opositores nesta grande maratona africana. A NPO divulgou hoje a lista de inscritos da competição e aos portugueses coube o número 453.

Nesta edição do Rali de Marrocos está confirmada a presença de sete equipas de camião de onde se destacam nomes como Frederico Villagra, antigo campeão de ralis, ou Marteen Van Den Brink, vencedor da categoria em 2015. Vão ainda participar duas equipas inscritas pelo Team De Rooy ambas aos comandos de dois potentes IVECO. Apesar de reconhecer as dificuldades que vai encontrar, a piloto portuguesa está entusiasmada e acredita que tem condições para conquistar uma boa classificação: “quanto maior o número de equipas a participar em camião maior será a competitividade, o que me agrada verdadeiramente ”, referiu a portuguesa.

Esta edição Rallye Oilibya du Maroc conta com 48 inscritos na classe automóveis FIA e 22 na categoria OPEN. No total estarão nesta corrida cerca de 300 pilotos e mais de 1000 participantes, que estarão divididos entre as diversas equipas de assistência que vão apoiar as respetivas formações. Serão 33 as nacionalidades presentes nesta prova, entre as quais alguns portugueses de onde se destacam os nomes de Ricardo Porém e Alejandro Martins nos automóveis e Mário Patrão, que vai competir na categoria moto.

A piloto Elisabete Jacinto vai estar acompanhada neste rali por José Marques (navegador) e Marco Cochinho (mecânico) completa o trio que compete a bordo do MAN TGS. A equipa de assistência será composta por Jorge Gil (director da equipa), Hélder Anjos (mecânico) e Pedro Azevedo o condutor do MAN KAT da formação lusa.

As belas paisagens de Marrocos serão assim o palco das disputas de alguns dos nomes mais sonantes do todo-o-terreno da actualidade. Nesta prova vão participar pilotos com grande notoriedade como Sebastien Loeb, Carlos Sainz ou Nasser Al-Attiyah.